Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Geyser del Tatio – Deserto de Atacama (Chile)

    O tour Geyser del Tatio (Gêiser de Tatio) foi nosso sétimo e último destino no Deserto de Atacama, realizado no dia 8 de novembro de 2023.

    Saímos de madrugada, em torno de 5 horas, quando a van passou para nos pegar no Hotel Don Raúl, em São Pedro de Atacama, onde estávamos hospedados. O passeio é de meio período e também foi contratado da Lucas Carvalho Turismo. Veja detalhes aqui.

    O tour é conhecido como Geyser del Tatio, ou simplesmente “Geyser”, embora estejam no roteiro outras atrações. Uma delas é a pequena Comunidad Atacameña de Machuca; as outras são a Laguna Flamingos e Vado Rio Putana, além do local onde paramos para o nosso tradicional café da manhã.

    Neste passeio percorremos 160 km, aproximadamente, ida e volta. Quase todo em estrada de rípio (B-245). Chegamos ao Geyser antes das 7 horas da manhã. Chegamos de volta a São Pedro de Atacama às 12h30.

    Como comentei no post sobre São Pedro de Atacama, as agências recomendam fazer primeiro os passeios de baixa altitude e ir aumentando gradativamente para se acostumar, mas nem sempre é possível. Neste passeio, a altitude está em torno de 4.300 metros, boa opção para o final.

    No dia anterior ao tour, a agência envia as instruções com o nome do guia, o horário que a van passará no hotel, dicas de vestuário e dá outras informações pertinentes. Recomenda-se levar protetor solar e labial, óculos de sol, boné ou chapéu, calçado confortável e bem fechado (são feitas pequenas caminhadas), água (levar no mínimo 1 litro) e agasalho.

    Não subestime a temperatura, faz muito frio, chegando a temperaturas negativas, inclusive no verão. O ideal é ir vestido com várias camadas de roupas, o que possibilita ir retirando agasalhos a medida que a temperatura sobe. Use segunda pele térmica (calça e blusa), calças e casacos corta-vento, blusas de lã, luvas, cachecol, gorro, meias térmicas e um bom calçado.

    O passeio pode ser feito em veículo próprio ou com agências de turismo. Caso vá em carro próprio, pouco comum, quase não vimos, não se esqueça que as estradas são de rípio (cascalho) e merecem uma atenção maior.

    Geyser del Tatio (Gêiser de Tatio)

    Geyser del Tatio foi a primeira atração do dia. Chegamos por volta de 6h30, depois de 1h30 de viagem. O motorista estacionou a van e nós tivemos uns dez minutos livres para observar o local, ler as placas de advertências e também as placas com informações sobre a fauna, a flora e os geiseres, além de ir ao banheiro. Enquanto isso, o guia foi providenciar os ingressos, que custam 15 mil CLP (R$ 80,00), pagos à parte e em dinheiro (peso chileno). Demos o dinheiro ao guia assim que chegamos.

    O Geyser del Tatio está a 4.300 metros de altitude e faz parte do Complejo Turístico Tatio Mallku. Este passeio é um dos mais procurados no Deserto de Atacama. É uma boa opção para o final de sua viagem, devido a altitude.

    “Gêiser” é um termo utilizado para descrever uma nascente termal que entra em erupção periodicamente, lançando uma coluna de água quente e vapor de água para o ar. Geralmente, ele surge em locais próximos a vulcões ativos ou com muito calor subterrâneo.

    El Tatio tem quase 80 gêiseres, sendo o maior campo geotérmico do Hemisfério Sul e o terceiro maior do mundo. Em quéchua (língua indígena andina), el Tatio quer dizer “avô que chora”.

    A temperatura da água chega a 85ºC (nesta altitude a água ferve aos 80ºC ). Os jatos de água e vapor podem atingir 10 metros de altura. O choque térmico da água quente com a baixa temperatura é que produz este espetáculo. Por isso o passeio é realizado bem cedo, no horário mais frio do dia. A temperatura ambiente no inverno, em média, pode chegar a – 20ºC e, no verão, – 5ºC. No dia do nosso passeio estava fazendo 3ºC, ótima temperatura. Soubemos por amigas que fizemos nessa viagem, que nevou bastante dois dias depois, quando elas estiveram lá, e que a sensação térmica foi de – 5ºC.

    Café gelado
    Diversão garantida no Geyser
    Neve no deserto

    Há gêiseres de todo tipo nesse campo, alguns bem grandes e impressionantes, outros menores e menos expressivos. Como podem ser perigosos, evite caminhar sobre as fendas e respeite o limite das trilhas demarcadas por pedras ao redor dos gêiseres. 

    O passeio consiste em percorrer os caminhos demarcados, chegando bem perto de cada gêiser, onde observamos o fenômeno enquanto o guia passa algumas informações. O percurso é bem tranquilo e o passeio leva um pouco mais de uma hora.

    O Parque dos Gêiseres foi o ponto mais distante do nosso roteiro. Mas o tour não acaba aqui. No caminho de volta para São Pedro de Atacama, fizemos mais quatro paradas.

    Saindo do Parque para o café da manhã

    Café da manhã

    Apenas alguns minutos depois de sairmos do Geyser del Tatio, às 8h45, e já fora do parque (onde não é permitido comer), chegamos ao local escolhido pelo guia para o tradicional café da manhã no deserto. O último desta viagem.

    Enquanto o guia e o motorista montavam ao lado da van uma bela mesa de café da manhã, nós explorávamos o local, observando animais, aves, vegetação, rochas e tudo o mais.

    O café da manhã é bem saboroso e completo, com um pão maravilhoso, ovos mexidos feitos na hora, queijo, presunto, frutas, bolo, café e suco. Foi na hora certa, pois saímos de madrugada do hotel e havíamos comido somente umas bolachinhas água e sal e tomado um chá de coca, para ajudar na altitude.

    Típico café da manhã do Atacama

    Vado Rio Putana

    Devidamente alimentados, seguimos por alguns poucos minutos até Vado Putana, onde paramos para contemplar a natureza.

    Caminho para Vado Putana
    Caminho para Vado Putana – entrada para o Vulcão Putana

    Vado Putana é uma zona de bofedales (áreas pantanosas típicas da região andina, em altitudes superiores a 3.800 metros, de extrema importância nos lugares áridos). As paisagens ao redor são secas e amareladas, contrastando com os bofedales verdes.

    Ao fundo dos bofedales uma bela vista do Vulcão Putana, Curiquinca, Cerro Colorado, Escalante, Cerro Ojos del Toro, Cerro Saciel e Sairécabur.

    Bofedales de Putana e vulcões ao fundo
    Bofedales de Putana e vulcões ao fundo
    Bofedales de Putana e vulcões ao fundo
    Bofedales de Putana e vulcões ao fundo

    Seguimos para o próximo destino, o Povoado de Machuca.

    Machuca

    Machuca é um pequeno povoado, administrado pela Comunidad Atacameña de Machuca, fundada em 1994. Os pouquíssimos moradores vivem da criação de lhamas e do turismo.

    A caminho de Machuca
    Machuca vista da estrada
    Chegando ao povoado
    Machuca

    O povoado tem apenas uma rua, uma igreja e um pequeno bar, onde vendem espetinho de lhama, pastel de queijo de cabra, empanadas, café e chá, inclusive o chá de coca.

    Ficamos ali por cerca de 30 minutos, tempo suficiente para atravessar a única rua da vila e ir até a igreja.

    Um pouco antes das 11 horas seguimos por cinco minutos para mais uma parada, a Laguna Flamingos.

    Laguna Flamingos

    A parada na Laguna Flamingos foi bem rápida. Tiramos algumas fotos e observamos os flamingos, obviamente.

    Laguna Flamingos
    Laguna Flamingos
    Laguna Flamingos
    Laguna Flamingos

    Retornando para São Pedro de Atacama

    Depois da Laguna Flamingo seguimos por 1 hora aproximadamente até o destino final, São Pedro de Atacama. Chegamos um pouco antes das 12h30, cansados, mas felizes por termos conseguido fazer nossos sete passeios programados e por termos gostado muito de todos eles. Foi uma experiência incrível!

    Voltando para São Pedro de Atacama

    Agora era almoçar e descansar um pouco, pois havíamos dormido menos de três horas à noite. Na madrugada seguinte, a Transvip nos levaria para Calama, onde pegaríamos o avião para Santiago.

    Como o passeio ao Geyser del Tatio é de meio período é possível fazer outro tour à tarde, embora os outros passeios de meio período sejam em locais de altidude mais baixa (os quais fizemos no início). Aproveite a tarde livre para explorar um pouco São Pedro de Atacama, almoçar em algum dos muitos restaurantes legais da cidade, tomar um sorvete, comprar uma lembrança e conhecer a praça e a igreja.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]