Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Igreja de São João Batista do Lumiar – Lisboa (Portugal)

    Igreja de São João Batista do Lumiar situa-se na Freguesia de Lumiar, no Largo de São João Batista, e integra o núcleo do Paço do Lumiar, em conjunto com o Palácio do Monteiro-Mor, o Museu Nacional do Traje, e o Museu Nacional do Teatro e da Dança.

    Para chegar até a igreja, a melhor forma é ir de metrô até a Estação Lumiar (linha amarela) e caminhar cerca de 700 metros até lá. Aproveite para conhecer os museus e o Parque Botânico que estão próximos.

    A igreja primitiva data de 1266, ano também da criação da Freguesia de Lumiar. Em 2016, foram comemorados os 750 anos de sua fundação. A igreja passou por várias alterações até chegar ao que é hoje. Na fachada, consta a data de 1603 – imagino que a fachada atual corresponda a esta data. O terremoto de 1755 não causou danos à igreja como aconteceu com a maioria das igrejas de Lisboa, mas em 1932, ela sofreu com um incêndio de grandes proporções, quando o coro alto, o órgão, diversos quadros, entre outros altares e objetos foram destruídos.

    A fachada da igreja maneirista tem uma torre sineira e mais três partes, correspondendo às três naves. Na frente, no adro (espaço descoberto na frente ou, às vezes, ao redor das igrejas) tem um cruzeiro, datado de 1619, conforme inscrição em sua base.

    Igreja de São João Batista – adro com cruzeiro
    Lateral da Igreja de São João Batista – no centro, a Capela de Santa Brígida – na parede da capela, as sepulturas dos cavaleiros irlandeses
    Igreja de São João Batista – ano de 1603 no portal da igreja

    No interior, cada uma das três naves tem um altar. No altar-mor, no retábulo em talha dourada, tem quatro nichos com imagens de Santo Antônio, Santo Inácio de Loiola, São Francisco Xavier e São Domingos de Romão. No centro, São João Batista. Nos altares laterais, Jesus Crucificado, à direita, e a imagem de Santa Rita de Cássia no altar à esquerda. Em outro altar lateral, Nossa Senhora de Fátima.

    Igreja de São João Batista
    Igreja de São João Batista
    Retábulo do altar-mor
    Altar da direita – Jesus Crucificado
    Altar da esquerda – Santa Rita de Cássia
    Altar lateral – Nossa Senhora de Fátima

    Ao lado da nave esquerda está a capela de Santa Brígida, onde se encontra um relicário com os ossos de seu crânio. O relicário foi feito em madeira do Brasil, revestido em prata, com dois castiçais de cada lado. Os ossos da santa foram trazidos para esta igreja em 1283, por ordem de Dom Diniz (sexto rei de Portugal), por três cavaleiros irlandeses. Estes cavaleiros estão sepultados na parede externa da capela.

    Na parede oposta ao relicário tem um quadro alusivo à vida de Santa Brígida e duas imagens em madeira do século XVIII de santos contemporâneos dela, São Bento de Núrsia e sua irmã gêmea, Santa Escolástica.

    Destaca-se ainda na capela um painel de azulejos de 1934, cópia do original de 1740, que representa o mestre-conselheiro de Santa Brígida tentando convencer seu pai a deixá-la partir, perante o olhar desapontado do noivo.

    Relicário com ossos do crânio de Santa Brígida
    Quadro Santa Brígida e imagens de São Bento e Santa Escolástica

    À entrada da igreja, à esquerda, está o batistério, com destaque para um painel de azulejos com cenas da pregação de São João.

    Batistério
    Painel de Azulejos do Batistério

    Em uma placa na lateral da igreja é informado que nos dias 1º de cada mês tem uma visita guiada para conhecer a vida de Santa Brígida, que é a padroeira dos pobres, dos doentes e dos animais.

    A igreja fecha às segundas-feiras e no intervalo de almoço.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Brasília na Trilha – 10 anos

      Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

        Diamantina – MG

        Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

          Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

          Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

            Bondi Beach – Sydney (Austrália)

            Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

              Coogee Beach – Sydney (Austrália)

              Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]

                Manly Beach – Sydney (Austrália)

                Manly foi a segunda praia de Sydney que conhecemos (a primeira foi Bondi), já em nosso terceiro dia na cidade (4 de setembro de 2023). Embora fosse inverno, a temperatura estava amena, em torno de 20ºC, ótimo para caminhar na praia e na calçada da orla. Apesar do vento frio, foi possível tomar um pouco […]