Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras – Lisboa (Portugal)

    O Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras, mais conhecido por Mãe d’Água das Amoreiras, situa-se na Freguesia de Santo Antônio, ao lado do Jardim das Amoreiras (post do Brasília na Trilha) e bem próximo do Largo do Rato.

    A melhor forma de chegar até lá é ir de metrô até a Estação do Rato (linha amarela) e caminhar cerca de 250 metros, partindo do Largo do Rato pela Rua das Amoreiras.

    Logo no início da Rua das Amoreiras já é possível avistar o Reservatório Mãe d’Água e a parte final do Aqueduto das Águas Livres.

    Final do Largo do Rato e início da Rua das Amoreiras

    A Mãe d’Água das Amoreiras é um grande reservatório de água. Ele é abastecido pelo Aqueduto das Águas Livres. O Marquês de Pombal foi quem determinou a sua construção e o arquiteto Húngaro Carlos Mardel o projetou em 1754, sendo concluído apenas em 1834, no reinado de D. Maria II. O Arquiteto e o Marquês não chegaram a ver a obra concluída, pois morreram em 1763 e 1782, respectivamente.

    Mardel trabalhou no projeto de 1745 até 1763 (ano da sua morte). Em 1772 o Engenheiro Militar Reinaldo Manuel dos Santos deu continuidade ao projeto, alterando o desenho do edifício, tanto no interior como no exterior. Santos também não chegou a ver a obra pronta, pois morreu em 1791.

    Anexo ao Reservatório está a Casa do Registo, de onde partem duas das principais galerias distribuidoras das Águas Livres, a do Loreto e a da Esperança. Existe também uma pequena galeria que abastece o Chafariz do Rato.

    Largo da Rato – Chafariz do Rato

    O Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras é um dos quatro núcleos do Museu da Água da EPAL em Lisboa. A EPAL é sucessora da centenária CAL – Companhia das Águas de Lisboa, concessionária do abastecimento de água da cidade de 2 de abril de 1868 a 30 de outubro de 1974, quando terminou o contrato de concessão, e é constituída a EPAL – Empresa Pública das Águas de Lisboa, designação que mantida até 1981, quando passa a denominar-se EPAL – Empresa Pública das Águas Livres.

    Entrada do Reservatório

    Na visita é possível conhecer:

    Aqueduto por dentro – poucos metros antes do Reservatório
    Final do Aqueduto antes do Reservatório
    Cascata Arca d’Água vista de frente
    Cascata Arca d’Água

    É possível fazer a visita e apreciar a vista do terraço em menos de 1 hora. A visita é paga e livre.

    O horário de visitação no site da EPAL é de terça-feira a domingo das 10 às 17h30 (fecha para almoço entre 12h30 e 13h30). Já o horário que consta no portão de acesso ao Reservatório é outro. Sugiro ligar antes (telefone 218 100 215) ou enviar e-mail: mda.epal@adp.pt. Nestes contatos é possível obter mais informações e marcar visitas guiadas de grupos.

    Portão de acesso ao Reservatório da Mãe d’Água das Amoreiras (em frente ao Jardim das Amoreiras)

    Saindo da Mae ‘Água das Amoreiras, siga por alguns poucos metros o aqueduto pela Rua das Amoreiras, onde verá o Arco Triunfal das Amoreiras – uma bela obra. É o centésimo nono arco, um dos últimos do aqueduto, construído para comemorar o final da obra do Aqueduto das Águas Livres, em 1834.

    Arco Triunfal das Amoreiras – centésimo nono arco – um dos últimos do aqueduto

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]