Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Salar de Atacama – Trópico de Capricórnio – Lagunas Altiplânicas – Piedras Rojas – Deserto de Atacama (Chile)

    O tour Salar de Atacama, Trópico de Capricórnio, Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas foi um passeio 4 em 1, nosso segundo destino no Deserto de Atacama, realizado no dia 5 de novembro de 2023. Por volta de 6h30, o guia Felipe, auxiliado pelo motorista Hugo (que também é guia), passou para nos pegar no Hotel Don Raúl, em São Pedro do Atacama, onde estávamos hospedados. O passeio durou o dia todo e também foi contratado da Lucas Carvalho Turismo. Veja detalhes aqui.  

    Este foi o passeio mais longo que fizemos. Percorremos quase 400 km, ida e volta, mas com várias paradas e paisagens incríveis pelo caminho, tornando o passeio bastante agradável. Chegamos bem perto da divisa com a Argentina no último ponto do tour, Piedras Rojas.

    Tanto o Salar de Atacama quanto as Lagunas Altiplânicas estão dentro da Reserva Nacional los Flamencos, que tem uma área de aproximadamente 740 km² e uma diversidade de atrações, incluindo montanhas, salares, formações rochosas, lagoas, áreas arqueológicas, flora e fauna, e é dividida em sete seções:

    Cada uma delas com altitudes e condições climáticas diferentes, além de fauna e flora diversificadas. É possível encontrar vicunhas, guanacos, alpacas, llamas; raposas; pequenos roedores como viscachas e chinchilas; andorinhas; falcões; gaivotas andinas; condores; nhandus (parentes das emas), flamingos; cervos; dentre outras espécies. A fauna é composta principalmente por árvores de pequeno porte como a pimienta, a chanhar e o algarrobo; arbustos como tolas, llaretas, cachiyuyos e paja brava; e plantas como a anhanhuca, a rica rica e a brea, além de cactos, alguns gigantes.

    No dia anterior ao tour, a agência envia as instruções com o nome do guia, o horário que a van passará no hotel, dicas de vestuário e dá outras informações pertinentes.

    Neste passeio é recomendado levar protetor solar e labial, óculos de sol, boné ou chapéu, calçado confortável (são feitas pequenas caminhadas), água (como o passeio é de dia todo é bom levar no mínimo 1,5 litro), agasalho (o vento é bem frio, principalmente pela altitude) e alguma coisa para comer entre o café da manhã e o almoço (o café foi por volta das 10 horas da manhã e o almoço por volta de 15h30).

    O passeio ao Salar de Atacama, Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas pode ser feito com veículo próprio ou com agências de turismo.

    Como comentei no post sobre São Pedro de Atacama, as agências recomendam fazer primeiro os passeios de baixa altitude e ir aumentando gradativamente para se acostumar, mas nem sempre isso é possível. Pode acontecer de algum parque ser fechado sem aviso prévio, por exemplo, e o roteiro ser alterado. Foi o que aconteceu conosco neste segundo passeio, que estava agendado para ser realizado no penúltimo dia (no 4º dia), mas foi realizado no segundo. Nesse tour, passamos de 4 mil metros de altitude. No entanto, não sentimos qualquer mal-estar, mas como não era o que havíamos programado, ficamos meio ansiosos na véspera. Então, não fique estressado, apenas esteja preparado para eventuais mudanças e aproveite o tour.

    Salar de Atacama

    O Salar de Atacama foi o primeiro atrativo do dia, localizado a pouco mais de 50 km ao sul de São Pedro de Atacama.

    Chegando ao Salar do Atacama

    O Salar do Atacama, Setor Sancor, faz parte da Reserva Nacional dos Flamencos e é administrado pela Comunidad Lickan Antay Atacamaña de Toconao em associação com Corporación Nacional Forestal (CONAF).

    Chegando ao parque, o guia foi até a recepção para se identificar e pagar os ingressos. O valor não estava incluído no pacote e custa 8 mil CLP (R$ 45,00), devendo ser pago em dinheiro (os guias passam esta informação antecipadamente).

    Recepção do Salar do Atacama

    O Salar do Atacama é a maior salina do Chile e o terceira do mundo. Está delimitado pela Cordilheira dos Andes e pela Cordilheira de Domeyko. A paisagem é dominada por imponentes vulcões como LicancaburAcamarachiAguas Calientes e Láscar, sendo este último um dos vulcões mais ativos do Chile. 

    No centro do Salar de Atacama está a Laguna Chaxa, o melhor lugar no Chile para observar os flamingos, habitat também de outras aves migratórias.

    O tour consiste em percorrer uma trilha demarcada de 400 metros. No caminho há cinco estações de observação com placas com informações sobre o Salar. O guia também complementa com mais informações.

    Trópico de Capricórnio

    Saímos do Salar do Atacama com destino às Lagunas AltipLânicas e no caminho fizemos uma parada em frente às placas que sinalizam o Trópico de Capricórnio, que se encontra na Ruta 23, antes do povoado de Socaire, menos de 40 km do Salar de Atacama.

    Trópico de Capricórnio
    Trópico de Capricórnio

    O Trópico de Capricórnio é uma linha geográfica imaginária, representado no mapa por uma linha pontilhada que divide a zona tropical sul da zona temperada sul. É um dos cinco principais círculos de latitude da Terra e atravessa três continentes (Oceania, África e América do Sul), dez países (Austrália; África do Sul, Botswana, Moçambique, Namíbia e Madagascar; Argentina, Brasil, Chile e Paraguai), e três oceanos (Índico, Atlântico e Pacífico).

    Os trópicos de Câncer e Capricórnio receberam esses nomes porque, há centenas de anos, os astrônomos perceberam que o ápice do solstício de verão acontecia quando o sol estava posicionado, respectivamente, nas constelações de Câncer, no hemisfério norte, e de Capricórnio, no hemisfério sul.

    Tiramos muitas fotos enquanto nossos guias preparavam um café da manhã ao lado da van em um pequeno estacionamento. O café foi servido por volta de 10h30.

    Café da manhã no Trópico de Capricórnio
    Café da manhã no Trópico de Capricórnio

    Em todos os passeios no Deserto do Atacama, os guias preparam uma bonita mesa de café da manhã, almoço ou lanche, conforme o horário do tour. Quase todos os passeios são realizados dentro de reservas controladas pelos povos originários da região, onde não é permitido entrar com alimentos ou bebidas. Por este motivo, os piqueniques são montados em algum local fora dos parques. Cada guia já tem seu lugar predileto, escolhido a dedo em algum ponto belíssimo da região visitada. A comida é sempre saborosa e fresca.

    Lagunas Altiplânicas

    Após o café, seguimos por mais 50 km do Trópico de Capricórnio às Lagunas Altiplânicas: Laguna Miscanti e Laguna Miñiques.

    Chegando nas Lagunas Altiplânicas

    As lagoas (Miscanti e Miñiques) estão no planalto andino, localizadas na Região de Antofagasta, a mais de 4.100 metros de altitude, entre vulcões e montanhas, também inseridas na Reserva Nacional de Flamencos. As paisagens tem cores variadas, água, vulcões e gelo.

    Sede e sanitários do Parque
    Sede do Parque

    A Laguna Miscanti tem uma superfície de 15 km² e é abastecida de água pluvial subterrânea e térmica. No inverno, sua superfície fica congelada. A laguna tem uma cor azul profunda e se desenvolveu em uma bacia formada por uma falha. À sua volta, erguem-se os vulcões Cerro Miñiques e o Cerro Miscanti. Ao sul de Miscanti fica a Laguna Miñiques, separada de Miscanti por um fluxo de lava.

    A Laguna Miñiques está bem próxima da Laguna Miscanti, no sopé do vulcão Cerro Miscanti. O lago é alimentado pela Laguna Miscanti por infiltração e suas águas são salobras. A laguna tem uma área de superfície de 1,6 km². 

    Tanto este parque das Lagunas Altiplânicas quanto o seguinte, Parque de Piedras Rojas, são administrados pelo mesmo grupo. O ingresso dos dois custa 15 mil CLP (R$ 80,00), o valor já estava incluído no tour. Os ingressos são vendidos somente on-line e na região não pega internet, ou seja, os ingressos devem ser comprados antecipadamente. Outro ponto importante se for visitar a região com carro próprio é abastecer em São Pedro de Atacama, pois não há postos de gasolina na região.

    Piedras Rojas Salar de Talar

    Seguimos no sentido da divisa com a Argentina por mais 60 km até Piedras Rojas, também conhecida como Salar de Talar (não confundir com Salar de Tara).

    Na estrada para Piedras Rojas

    Chegamos na entrada do Parque e o guia foi à recepção apresentar as reservas (que são vendidas somente on-line, e já estavam inclusos no valor do pacote).

    Estacionamento na entrada do parque
    Entrada do parque

    O guia nos informou que o passeio aqui era livre, mas seguindo o caminho demarcado e obrigatório das trilhas. A caminhada era de menos de 30 minutos (ida) e 30 min (volta). O terreno é plano e a altitude em torno de 4 mil metros.

    Apesar do sol, não se engane, o vento é bem frio e requer um bom agasalho corta vento. A caminhada é leve, mas devido à altitude é bom ir bebendo água durante o trajeto e caminhando lentamente. Se não tiver nenhum problema de saúde e seguindo estas recomendações, o passeio é bem tranquilo.

    Visual incrível em Piedras Rojas
    Trilhas demarcadas de Piedras Rojas

    O Salar de Talar é uma salina de 46 km². Faz parte de uma série de lagos salgados e planícies salinas localizadas no sopé de uma cadeia de vulcões que se estende ao longo do lado oriental do Salar de Atacama.

    O cenário é espetacular, composto pela água com coloração verde clara, devido ao contraste com o sal. As pedras são arredondadas e avermelhadas, além das elevações nas cores cinza e marrom, uma verdadeira pintura com uma variedade de cores.

    Finalizado o passeio, nos preparamos para voltar, mas ainda tinha o almoço e mais uma parada para fotos na estrada.

    Almoço

    Estávamos com fome, já passava das 15 horas. Fiquei curioso para saber como seria o almoço, mas não quis perguntar antes para não estragar a surpresa.

    Uns 20 minutos depois de sairmos de Piedras Rojas nossos guias estacionaram a van em um local cercado de pedras e protegido do vento para prepararem o almoço. Montaram uma bonita mesa com várias comidinhas bem gostosas e até doce de leite de sobremesa. Cada um escolheu um cantinho e se sentou no chão mesmo, para almoçar. Encontrar uma sombra era missão quase impossível.

    Almoço
    Almoço
    Almoço
    Almoço
    Almoço

    Seguimos para São Pedro de Atacama e no caminho paramos para tirar algumas fotos na estrada.

    Mais uma parada na estrada para fotos
    Voltando para São Pedro de Atacama
    Bom local para a pratica de Yôga. Será?
    Diversão garantida para os mais animados

    Já passava das 17h20 quando chegamos em São Pedro de Atacama.

    Chegando em São Pedro de Atacama

    Todo o passeio é feito em estrada asfaltada, com curtos trechos de terra até a entrada dos parques, mas em boas condições.

    Este é um dos passeios mais caros, pois anda-se muito de carro, levamos o dia todo visitando três parques, e as refeições estão incluídas no valor (café da manhã e almoço).

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]