Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Tour Astronômico – Deserto de Atacama (Chile)

    O Tour Astronômico que contratamos foi nosso sexto destino no Deserto de Atacama, no dia 7 de novembro de 2023.

    Um espetáculo! Não nos cansamos de admirar.
    Céu de Atacama: 4 mil estrelas a olho nu.

    Por volta das 23 horas, o motorista passou para nos pegar no Hotel Don Raúl, em São Pedro de Atacama, onde estávamos hospedados. Durante o dia, fizemos o roteiro Rutas de Los Salares; ambos foram contratados da Lucas Carvalho Turismo. Veja detalhes aqui.  

    Geralmente, há dois horários para se fazer o Tour Astronômico, às 21 horas e às 23 horas. Inicialmente, agendamos o horário das 21 horas do dia 6, mas o tempo nublou no final da tarde e o tour foi cancelado, sendo remarcado para o dia seguinte, às 23 horas. Aceitamos a remarcação, pois no dia 8/11 já faríamos nosso último passeio visitando o Geyser del Tatio. O local de observação do céu à noite é bem próximo da cidade, com altitude em torno de 2.500 metros, ideal para agendar já nos primeiros dias em São Pedro de Atacama, pois se as nuvens aparecerem, poderá adiar o tour até o último dia. Este é um dos passeios mais procurados e mais famosos do Atacama.

    Para nós, os últimos passeios foram um pouco cansativos, porque tínhamos levandado cedo nesse dia para fazer a Ruta de Los Salares e voltamos para a cidade somente às 16 horas. Tomamos um banho, descansamos um pouco, jantamos e, mais tarde, às 23 horas saímos para o Tour Astronômico, do qual só retornamos por volta de 1h30 da madrugada do dia 8. Mal cochilamos e já nos levantamos para o passeio ao Geyser del Tatio (gêiser). Tomamos um chá de coca com bolachas e às 5 horas o guia já estava na porta do hotel para nos pegar.

    É bom saber que, além do mal tempo, o passeio depende também das fases da lua, assim, quanto mais cheia a lua estiver menos estrelas e objetos celestes poderão ser observados a olho nu por causa de sua luminosidade. A melhor fase para observar o céu é durante a lua nova ou próximo dela. Na lua cheia algumas agências não fazem o passeio; outras fazem, mas o foco passa a ser a lua. Verifique esses detalhes antes de contratar o tour.

    O Deserto do Atacama está distante das grandes cidades, sofrendo pouca interferência da luz artificial, além de ter um clima seco e estar em altitudes acima de 2.500 metros. Com todos esses fatores juntos, a região é conhecida como o melhor lugar no planeta para se observar o céu. Não por acaso o Atacama concentra o maior número de observatórios internacionais, de onde cientistas de todo o mundo estudam o universo. Destaque para o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array – ALMA, uma organização formada por diversos países cujos estudos são voltados para projetos astronômicos. Antes da pandemia era possível visitar o observatório, mas não está mais aberto ao público; pode-se, no entanto, fazer uma visita virtual.

    Voltando ao tour… Tirando o cansaço, foi um passeio bem interessante. Como já mencionei, a região onde estão instalados os observatórios para leigos (turistas) é perto de São Pedro de Atacama e a experiência dura cerca de duas horas. Há várias observatórios nos arredores, imagino que semelhantes, e os turistas são conduzidos ao local conforme a agência contratada.

    Chegamos de micro-ônibus e fomos recepcionados pelos irmãos Christian e Sérgio, muito educados e atenciosos, da empresa Stargazing. Seguimos para a primeira estação por um caminho demarcado apenas por micro lâmpadas no chão, únicas a iluminar o local além da luz das estrelas.

    Passamos por três estações. Na primeira, o guia nos brinda com pisco sauer, chá e vinho, provamos bolachas e bolinhos feitos com iguarias locais como a rica rica e o algarobo. Ali nos sentamos em volta de uma fogueira (estava bem frio) e ele nos contou histórias e lendas sobre as constelações, os planetas, os povos originários e sua interação com a natureza, e muitas curiosidades sobre o Atacama. Uns 30 minutos de agradável bate-papo.

    Galaxia de Antrômeda
    Nebulosa Helix
    Grande Nebulosa de Orion

    Na segunda estação, um pouco mais adiante, paramos para observar o céu e fotografar. O guia utiliza um laser para apontar para as estrelas como se o céu fosse um quadro e explica detalhes sobre o que estamos observando: os planetas, as estrelas, as constelações e a lua. Deste local é possível avistar mais de 4 mil estrelas a olho nu. Incrível! Neste ponto do tour, também posamos para fotografia (incluídas no pacote), que foram enviadas eletronicamente depois para nós, com fotos nossas e do céu daquela noite. Sobre um tablado, cada turista faz a pose que desejar e o guia dirige a sessão de fotos feitas em máquina com lentes especiais para fotos noturnas. O cenário é o famoso e maravilhoso céu do Atacama. Um espetáculo de pontos luminosos difícil de descrever. Para fotografar nessas condições é necessário ficar 20 segundos imóvel na pose, pois é preciso um tempo maior de exposição para capturar a imagem. Vale o “sacrifício”. As fotos ficam espetaculares.

    A terceira e última estação é para observarmos os planetas Saturno e Júpiter e a constelação de Sirius, através de dois pequenos telescópios. Aqui ainda recebemos mais informações sobre algumas constelações, estrelas e planetas.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]