Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Viana do Castelo – Portugal (Diário 4)

    Escolhemos Braga como nossa base para conhecer algumas cidades próximas. No dia 5 de fevereiro de 2020 fomos passar o dia em Viana do Castelo, a apenas 60 km de Braga. 

    Quando escolhemos conhecer Viana do Castelo não pesquisamos  muito sobre a cidade e não sabíamos bem o quê visitar, ou seja, fomos sem muita expectativa. No final conto qual foi minha avaliação.

    Dividimos nossa visita em 3 partes: Santuário do Sagrado Coração de Jesus/Santa Luzia  – fomos direto de Braga para lá. Depois a parte histórica, que fizemos a pé e, por fim, o litoral, para onde fomos de carro. Uma das coisas interessantes de Viana do Castelo é que as atrações são bem diferentes umas das outras.


    Santuário do Sagrado Coração de Jesus – Confraria de Santa Luzia

    Logo na chegada já nos surpreendemos com a beleza.

    Santuário do Sagrado Coração de Jesus
    Santuário do Sagrado Coração de Jesus

    O dia era de sol, o que, do alto, proporcionou uma vista maravilhosa da cidade, do Rio Lima e do mar.

    Vista do Santuário
    Vista do Santuário – Foz do Rio Lima
    Vista do Santuário – Rio Lima e Ponte Eiffel

    A construção do Santuário teve início em 1904 e terminou em 1959, por iniciativa da Confraria de Santa Luzia (Associação Pública de Fiéis, responsável pelo Templo), que o mantém até hoje. 

    O interior da igreja é mais simples que a fachada, mas o contraste das cores, vitrais, lustres e blocos de pedra formam um conjunto bem bonito.

    Santuário do Sagrado Coração de Jesus
    Santuário do Sagrado Coração de Jesus
    Santuário do Sagrado Coração de Jesus

    Do zimbório é possível ter uma vista de 360º da região. Parte do acesso é por elevador, parte em escada comum e parte por escada em caracol. A subida é tranquila, mas não é aconselhável para quem tem dificuldades de locomoção. O acesso é pago.
    Embora O Santuário de Santa Luzia  lembre a Basílica de Sacré Cœur de Paris e alguns digam que foi nela inspirada, a ideia tem sido contestada, uma vez que na ocasião em que seu projeto foi feito por Ventura Terra (1899), a igreja parisiense estava sendo erguida e não era possível ver como seria sua configuração ao final.

    Desde 1923 o Santuário é servido pelo Elevador de Santa Luzia, também conhecido como Funicular de Santa Luzia e liga a Estação Ferroviária ao Santuário. É o maior funicular em extensão de Portugal.

    O Santuário dispõem de Hostel, cafeteria e loja.

    Zimbório
    Parte do acesso ao zimbório

    Saímos do Santuário em direção a parte histórica da cidade. Achamos fantástico ter sempre o Santuário como cartão postal ao longo de nosso passeio, pois é possível avistá-lo de toda parte.

    Vista do Santuário no alto do morro

    Chegando na cidade deixamos o carro em um estacionamento público às margens do Rio Lima, bem ao lado do nosso primeiro ponto de interesse, o Navio Museu Gil Eannes.

    Estacionamento Público ao lado do Museu Navio Hospital Gil Eannes

    Navio Museu Gil Eannes

    A visita é paga e imperdível – clique aqui para saber o preço e horário. Este navio era um hospital e hoje é um museu hospital. Durante toda visita ficamos imaginando qual seria a missão deste navio na época em que estava ativo. Dentro do museu percebemos como a região antigamente era forte na pesca do bacalhau e os navios saiam para alto mar e ficavam muito tempo lá. Os pescadores adoeciam e sofriam acidentes e este navio hospital dava suporte. Não vou dizer que este programa foi o mais sensacional de nossa viagem, mas foi único, e valeu muito conhecer. Reserve pelo menos 1 hora para a visita.

    Navio Museu Gil Eannes
    Navio Museu Gil Eannes
    Navio Museu Gil Eannes

    O navio foi construído nos estaleiros de Viana do Castelo entre os anos de 1952 e 1955. Muito tempo depois ele foi comprado e todo restaurado, passando a ser museu em 1998 sob administração da Fundação Gil Eannes. Veja abaixo uma amostra dos locais da visita e clique aqui para conhecer um pouco mais. Para saber quem foi Gil Eannes.

    Antes de seguir para o centro conhecemos um pouco mais a região do cais próxima ao navio museu: estátua de João Alvares Fagundes (navegador português), Monumento ao 25 de Abril (monumento em aço de 16 metros de altura construído em 1999 em comemoração ao 25º aniversário da Revolução dos Cravos), Rio LimaPonte Eiffel (ponte rodo-ferroviária de ferro construída em 1878 por Gustave Eiffel) e o Posto Municipal de Turismo (local para pegar um mapa da cidade ou alugar uma bike).

    Estátua de João Alves Fagundes
    Monumento ao 25 de Abril
    Ponte Eiffel  no Rio Lima
    Posto Municipal de Turismo

    Em seguida fomos para a parte histórica. Antes demos uma paradinha rápida para almoçar, pois ainda tínhamos muita coisa para ver na cidade e não queríamos perder tempo. Escolhemos o Café Paris, na Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, principal avenida do centro. Não tinha muitas opções de almoço no cardápio, mas ficamos satisfeitos.

    Café Paris

    Baterias recarregadas fomos conhecer o centro da cidade. Seguimos pela Rua da Picota (alguns metros à direita do Café Paris) e passamos na porta do Museu do Traje que queríamos visitar, mas não ia dar tempo, e chegamos em mais uma Praça da República (muitas cidades de Portugal tem uma).

    Praça da Republica

    Praça da Republica

    Local muito agradável e movimentado, com cafés, lojas, restaurantes e outros atrativos como o Museu do Traje, os edifícios, entre eles o Antigo Paço do Conselho, a Igreja da Misericórdia, e um Chafariz , que por alguns séculos foi o ponto de abastecimento de água potável da população.

    A “Casa das Varandas” e  Igreja da Misericórdia – ao centro o chafariz – ao fundo o antigo Paço do Conselho

    Igreja da Misericórdia

    Para entrar paga-se apenas 1 euro. A entrada, na realidade, é no edifício ao lado, “Casa das Varandas”, de 1589, um exemplar único da arquitetura  de inspiração renascentista e maneirista, com influências italiana e flamenca. A igreja é barroca do século XVIII. Chama a atenção o grande contraste da talha dourada com os tradicionais azulejos azuis, além do teto com pinturas. Vídeo Visita Guiada.

    Igreja da Misericórdia
    Igreja da Misericórdia

    Estando em frente ao antigo Paço do Conselho, virando à direita e seguindo alguns passos está a Sé de Viana do Castelo.


    Igreja da Sé

    Igreja do século XV, elevada a Sé apenas em 1977. Sofreu dois grandes incêndios ao longo dos séculos.

    O seu exterior tem aparência de igreja fortificada, de inspiração românica e semelhante a alguns outros templos de Portugal. 

    Na fachada, duas torres e uma rosácea sobre um portal  gótico composto por quatro arcos, três dos quais decorados com cenas esculpidas da Paixão de Cristo e esculturas dos seis Apóstolos mais ligados às tradições da vila e da região: São Pedro, São Paulo, São João, São Bartolomeu, São Tiago e Santo André.

    Sé de Viana do Castelo

    A igreja foi inicialmente dedicada ao Divino Salvador e só mais tarde consagrada a devoção à Nossa Senhora, passando a ter como padroeira Santa Maria Maior.  No interior estão várias capelas: de  São Bernardo, do Santíssimo Sacramento, Santo Cristo, Senhor Jesus dos Mareantes, Nossa Senhora da Consolação, Nossa Senhora das Dores, São Cristovão, Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora da Piedade, Cléricos Senhor dos Passos e São Tiago. 

    Sé de Viana do Castelo – Altar-mor
    Sé de Viana do Castelo – Capela Senhor Jesus dos Mareantes

    • Sé de Viana do Castelo - Capela Cléricos Senhor dos Passos

    Voltamos à Praça da República e pegamos a Rua Gago Coutinho, a menos de 200 metros da Sé, até a Casa da Capela das Malheiras, em estilo barroco da primeira metade do século XVIII. Foi mandada construir por D. Frei Antônio do Desterro Malheiro Reimão, nascido em Viana do Castelo e Bispo do Rio de Janeiro, dedicada a São Francisco de Paula. Apenas fotografamos e seguimos pela mesma rua até o Jardim da Marginal, paralelo ao Rio Lima.

    Casa da Capela das Malheiras
    Casa da Capela das Malheiras

    Jardim da Marginal

    Construído em 1881 com 20.000 m². Local muito agradável para dar uma volta ou sentar no Café Girassol, no centro da praça, e observar o movimento. Um destaque na praça é o Chafariz de pedra com a estátua de Viana, uma mulher com uma caravela na mão esquerda, cercada por quatro bustos que representam as quatro partes do mundo onde as embarcações vianenses chegaram. De um lado do jardim estão bonitos edifícios e, do outro, a marina. No mês de fevereiro as árvores estavam sem folhas, imagino todo verde e com flores.

    Estátua de Viana – Jardim da Marginal

    • Jardim da Marginal

    Mais ou menos no meio do Jardim Marginal, nos dirigimos para a Praça Frei Gonçalo Velho para conhecer mais uma igreja, a das Almas.


    Igreja das Almas

    Igreja do século XIII, restaurada no século XVIII, conhecida como Igreja das Almas ou Capela das Almas. Foi a primeira matriz de Viana do Castelo. Após a construção da Sé, em 1483,  perdeu o título de matriz. Conhecida tradicionalmente por Matriz Velha, passou a chamar-se Capela das Almas pelo fato de o seu adro servir de cemitério até o ano de 1840.

    Igreja das Almas
    Igreja das Almas
    Igreja das Almas

    Depois de visitar a Igreja das Almas resolvemos andar um pouco pela cidade sem destino certo, coisa rara de fazermos, fotografando as ruas e os edifícios. Depois pegamos o carro, que estava no estacionamento às margens do Rio Lima e seguimos para a Praia do Norte. A caminho da praia, paramos em mais uma igreja.

    À esquerda: Casa Alpuins – Câmara Municipal – Palácio dos Távoras
    Convento da Caridade

    Capela de Nossa Senhora da Agonia

    Está ligada à Romaria de Nossa Senhora da Agonia, uma das mais tradicionais da cidade, de devoção dos pescadores. No dia 20 de agosto é feriado nacional, quando é comemorado o seu dia.

    Capela de Nossa Senhora da Agonia
    Vista das escadas da Capela
    Capela de Nossa Senhora da Agonia

    Praia do Norte

    Tem um largo e longo calçadão, ótimo para uma caminhada à beira mar. Tem também um parque infantil, onde brincavam várias crianças. A praia tem pouca areia e muitas pedras, onde foram construídas umas piscinas para banho de mar. Achei muito interessante.

    • Viana do Castelo - Praia do Norte

    Praia do Cabedelo

    Para chegar nesta praia passamos pela Ponte Eiffel, sobre o Rio Lima. Foi nosso último passeio em Viana do Castelo. É uma praia enorme, que vai mudando de nome ao longo de sua extensão. Seguimos pela Avenida Cabedelo até um estacionamento quase no seu final. Depois caminhamos por duas passarelas que levam até o mar. Uma delas, a mais extensa, leva ao Duotone Pro Center Viana  (bar e aluguel de pranchas e outros equipamentos). Quando estávamos voltando pela passarela notamos um intenso movimento contrário. Eram pessoas indo ver o pôr do sol, que perdemos porque o dia tinha sido cansativo e ainda precisávamos voltar para Braga.

    Ponte Eiffel – caminho para Praia do Cabedelo

    • Passarela para acesso a Praia do Cabedelo

    O que achei de Viana do Castelo

    Um lugar que quero voltar para apreciar com calma e de preferência no verão para ir a praia. A cidade me surpreendeu muito.

    Voltando para Braga com o visual do Rio Lima e o Santuário no alto do morro.
    Ultima foto da nossa saída de Viana do Castelo

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]