Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Palácio da Alvorada – Brasília – DF

    O Palácio da Alvorada está localizado em Brasília, Distrito Federal, numa península que divide o Lago Paranoá em Lago Sul e Lago Norte, no Setor Palácio Presidencial, Zona Cívico-Administrativa, e abriga a residência oficial do Presidente da República. Bem próximo dali está a residência oficial da Vice-Presidência da República, o Palácio do Jaburu. Toda a região é considerada uma área de segurança nacional, sendo, no entanto, de livre acesso para o público.

    Para ir até o Palácio, a melhor alternativa é de carro, mas é possível ir de ônibus também saindo da Rodoviária de Brasília, localizada na área central da cidade (a 7 km dali), sentido Vila Planalto ou Palácio da Alvorada. O ônibus passa pela Via Palácio Presidencial. De qualquer forma, é necessário caminhar um pouco do ponto de ônibus até o Palácio.

    O Palácio da Alvorada foi projetado por Oscar Niemeyer e por sua filha Ana Maria Niemeyer, que foi responsável pela decoração.

    Ele foi inaugurado em 30 de junho de 1958, sendo o primeiro prédio em alvenaria da Capital. Durante dois anos, foi utilizado também como local de trabalho do Presidente, pois o Palácio do Planalto foi inaugurado apenas em 1960.

    Antes da inauguração do Palácio da Alvorada o Presidente morava no Catetinho

    Há duas versões para o nome “Alvorada”: a primeira está ligada à homenagem do Presidente Juscelino Kubitschek ao amigo e Ministro Victor Nunes Leal, nascido no Distrito de Alvorada, em Carangola, Minas Gerais; e a segunda diz respeito à forma como Presidente Kubitschek descrevia a Nova Capital – “alvorada de uma nova era”.

    Em 2017, fizemos uma visita guiada ao interior e aos jardins do Palácio da Alvorada. Infelizmente, já faz alguns anos que a visitação foi proibida. Atualmente, maio de 2023, ainda não está liberada.

    O que nos motivou fazer este post agora foi a liberação do acesso até a frente do Palácio (o espelho d’água), que ficou bloqueado nos últimos anos, do Palácio do Jaburu ao Palácio da Alvorada. Em 2023, o Presidente Lula resolveu devolver ao povo a oportunidade de ver o Palácio, mesmo que de longe. Esperamos que em breve seja possível visitar seu interior, que é espetacular.

    Palácio da Alvorada (maio de 2023)

    A visita guiada ao Palácio passava pelo Hall de Entrada, Capela, Salão de Estado, Biblioteca, Salão Nobre, Sala de Música, Salão de Banquetes e Jardins. O subsolo, onde estão localizados a cozinha, a despensa, o almoxarifado, o salão de jogos, a lavanderia, o auditório e a administração do Palácio; e o primeiro andar, onde estão localizadas oito suítes, não ficavam abertos para visitação.

    Fachada e jardins do Palácio

    Antes mesmo de passarmos pela guarita da entrada, vemos um espelho d’água com algumas carpas (em 2023, já não existiam mais) em frente ao gramado, e três mastros de bandeira – do Brasil, do Mercosul e a Presidencial (somente hasteada quando o Presidente se encontra no Palácio).

    Dali, observava-se também um imenso gramado por onde passeavam livremente algumas emas (infelizmente, “retiradas” pelo Governo anterior). A ave é encontrada nas áreas de campos abertos e no cerrado e é considerada a maior e mais veloz ave das Américas. Ela come de tudo, inclusive cobras. Reza a lenda que o Presidente Geisel mandou retirá-las do Palácio por causa de seus cachorros, que eram bicados por elas. Pouco tempo depois, no entanto, apareceu uma cobra dentro do Palácio e o Presidente mandou que voltassem imediatamente com as emas.

    Gramado do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Gramado do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Gramado frontal e mastros para as bandeiras do Brasil, do Mercosul e da Presidência – foto de 2017
    Jardim lateral próximo à Capela – foto de 2017

    Iniciando a visita guiada, a primeira parada era em frente ao Palácio, onde nos surpreendemos com sua fachada com colunas revestidas de mármore branco, símbolos de Brasília, que refletem no espelho d’água. Destaca-se ainda a escultura em bronze, denominada “As Iaras”, obra do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti.

    Fachada do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Fachada do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Fachada do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Escultura “As Iaras”, do artista plástico e escultor brasileiro Alfredo Ceschiatti – foto de 2017
    Fachada do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Fachada do Palácio da Alvorada – foto de 2017

    Capela

    A Capela também foi projetada por Oscar Niemeyer. Com arquitetura inspirada na forma de um caracol, permite a entrada da luz do sol pela porta e por uma janela (dispostas em lados opostos). A luz reflete sobre as paredes douradas e ilumina toda a Capela, que não conta com iluminação elétrica. À noite, o local é iluminado apenas por velas.  

    Capela – foto de 2017
    Vista da lateral esquerda do Palácio – foto de 2017

    A decoração da Capela é de Athos Bulcão com a participação de Portinari, que idealizou as paredes em lambris de jacarandá-da-bahia, folheados a ouro.

    Entrada de luz pela janela em posição oposta à porta permite a iluminação da capela – foto de 2017

    A Capela foi dedicada a Nossa Senhora da Alvorada (Nossa Senhora da Conceição), em cerimônia realizada em 29 de janeiro de 1961.

    No teto, a pintura tem desenhos de peixe e cruz, que simbolizam o cristianismo, e do sol e da lua, que simbolizam a alvorada.

    Pintura do teto com destaque para o peixe, 
    a lua e a cruz – foto de 2017
    Pintura do teto com destaque para o sol – foto de 2017

    A porta é em alumínio anodizado com vários quadrados coloridos.

    Porta em alumino anodizado

    Interior – Piso Térreo

    Hall de Entrada

    O Hall de Entrada tem pé-direito duplo, carpete vermelho e uma parede dourada que expõe o discurso de lançamento da pedra fundamental da nova Capital da República, um descrição do espírito que acompanhou os pioneiros construtores das obras liderados por Juscelino Kubitschek: “Deste Planalto Central, desta solidão que em breve se transformará em cérebro das mais altas decisões nacionais, lanço os olhos mais uma vez sobre o amanhã do meu país e antevejo esta alvorada com fé inquebrantável e uma confiança sem limites em seu grande destino” (JK, 02/10/1956).

    Hall de entrada – foto de 2017

    Salão de Estado

    O Salão de Estado é utilizado para receber autoridades estrangeiras e para vídeo-conferência. Destaque para:

    Pintura de Volpi – foto de 2017
    Tapeçaria de Kennedy Bahia – foto de 2017
    Imagens barrocas – arte sacra – foto de 2017
    Salão de Estado – foto de 2017

    Biblioteca

    A Biblioteca tem aproximadamente 4 mil livros, entre eles, exemplares de Manuel BandeiraCarlos Drummond de AndradeCelso CunhaAntônio HouaissFrancisco Assis BarbosaEdson Nery da Fonseca.  Outros destaques:

    Biblioteca do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Biblioteca do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Tapeçaria de Di Cavalcanti – foto de 2017
    Livro de assinaturas e mapas antigos – foto de 2017

    Mezanino

    O Mezanino é uma área de circulação que interliga a Biblioteca, o Salão Nobre e o Hall de Entrada. Destaques:

    Mezanino
    Tapeçaria de Di Cavalcanti – foto de 2017
    Banco Marquesa – de Oscar e Ana Maria Niemeyer – foto de 2017

    Salão Nobre

    O Salão Nobre é utilizado para os eventos sociais. Destaques:

    Salão Nobre – Quadros de Portinari à esquerda – fotos de 2017
    Esculturas de Alfredo Ceschiatti – foto de 2017
    Escultura de Victor Brecheret – ‘Morena”. Ao pé da escada (atrás da coluna) – “Vaqueiro” de Aldemir Martins – foto de 2017
    Escultura “Saindo do Banho” de Victor Brecheret – foto de 2017

    Sala de Música

    Sala de Música – foto de 2017
    Sala de Música – foto de 2017

    Salão de Banquetes

    O Salão de Banquetes tem capacidade para receber até 50 convidados (a mesa pode ser expandida de acordo com o o número de convidados). Destaques:

    Salão de Banquetes
    “Edificação” de André Bloc

    Jardins

    Os jardins são maravilhosos! É uma pena ser tão rápida a passagem por eles, além do visitante não poder andar por todo o espaço. Seria muito bom se pudesse ir até as margens do lago interno e também do Lago Paranoá.

    Jardins nos fundos do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Jardins nos fundos do Palácio da Alvorada – foto de 2017

    O projeto de paisagismo foi de Yoichi Aikawa – o mesmo paisagista do Palácio Imperial do Japão.

    Jardins da parte de trás do Palácio da Alvorada – foto de 2017
    Jardins da parte de trás do Palácio da Alvorada – foto de 2017

    A piscina mede 50 x 18 metros e sua profundidade varia de 0,70 até 2,10 metros, com azulejos azuis “Brenand“. Ao lado tem uma pérgula com bar e churrasqueira.

    Piscina e pérgula com bar e churrasqueira – foto de 2017

    A escultura em bronze é de Maria Martins – “Rito dos Ritmos”, que, segundo a autora, são braços e pernas entrelaçados e coroados por uma estrela.

    Escultura de bronze de Maria Martins – foto de 2017

    Informações para o visitante sobre o local (visita suspensa sem previsão de retorno)

    Estacionamento – Edifício de apoio – foto de 2023

    Para ilustrar um pouco mais o post, veja o vídeo do Palácio do Planalto do Wikipédia.

    Esperamos ansiosamente que as visitas ao Palácio da Alvorada sejam retomadas – consulte o site do Palácio para verificar, mas independente disso, vale muito a pena ver o Palácio por fora apenas.

    Indo ao Palácio da Alvorada aproveite para conhecer o entorno, onde está o Museu de Arte de Brasília (post do Brasília na Trilha), o Edifício do Palace Hotel (projeto de Oscar Niemeyer), além de apreciar a bela orla do Lago Paranoá e a Concha Acústica (anfiteatro), que foi o primeiro grande palco de Brasília. Nesta região tem opções de restaurantes.

    Observe ainda a Ponte JK do estacionamento do Palácio, é uma vista diferente de outros pontos de observação.

    Ponte JK – vista do estacionamento – foto de 2023
    Concha Acústica – foto de 2023
    Palace Hotel – foto de 2023

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]