Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Veneza – Itália

    Estávamos hospedados em Milão e em um dos dias resolvemos fazer um bate e volta em Veneza. Foi pouco tempo, mas o suficiente para realizar um sonho.

    Como fomos de Milão para Veneza?

    Como é um pouco mais longe, pegamos o trem de alta velocidade, que pode ser pela empresa Italo ou Trenitalia. Comprei as passagens pelo site Omio, você pode se cadastrar com esse link para ganhar 10 € de desconto em sua passagem. Na ida, foram 2h30 de viagem pela empresa Italo, com lugar marcado na segunda classe. Pegamos o trem saindo de Milano Centrale e foi super fácil.

    Saída da Estação
    Estação Venezia St. Lucia
    Estação Venezia St. Lucia
    Estação Venezia St. Lucia
    Estação Venezia St. Lucia

    Chegada em Veneza

    Chegamos em Veneza pela Estação Santa Lucia, que é a mais perto do centro. São 2 km, cerca de 20 minutos a pé, até a Praça de São Marcos, principal atração da cidade. Vá caminhando até lá, assim poderá já passar pela Ponte di Rialto e ter uma boa noção de como é a cidade. Uma dica extra é prestar atenção à época do ano para evitar de ir em época de cheia, em que a cidade pode alagar.

    Ponte di Rialto

    A chegada à Ponte di Rialto foi emocionante! Naquele lugar caiu a ficha que eu estava tendo a oportunidade de conhecer a belíssima cidade de Veneza, o que para mim era um grande sonho! A ponte é em formato de arco e liga os dois lados do Grande Canal, o maior e mais importante da cidade.

    Ponte di Rialto
    Ponte di Rialto

    Praça de São Marcos

    Continuamos até a Praça de São Marcos e visitamos a Basílica San Marco, a entrada custa 3 €. Veneza está sempre cheia, então é normal pegar ao menos um pouco de fila nos pontos turísticos pagos, como na Basílica, no Campanário e no Palácio Ducal. Os últimos dois acabamos não visitando, mas se você vai ficar mais de um dia em Veneza acredito ser uma boa opção. Aproveite também para passar pela Ponte dos Suspiros.

    Praça de São Marcos

    Ilha de San Giorgio Maggiore

    Se tiver tempo e quiser pode visitar também a Ilha de San Giorgio Maggiore, localizada em frente à Praça de São Marcos, do outro lado do canal.

    Caminhando pela cidade

    Aproveitamos para nos perder pelas ruas e canais de Veneza caminhando. Sem mapa, fomos caminhando até chegar na Basílica Madonna della Salute, que era uma curta travessia pelo canal de onde estávamos, mas acabamos por ir para lá a pé passando pela Ponte da Academia (em italiano: ponte dell’Accademia). Foi bom para conhecermos uma região um pouco menos lotada de turistas.

    Basílica Madonna della Salute

    Restaurantes

    Os restaurantes, assim como em Milão, têm preços parecidos e todos são muito atrativos. Além disso, tenha em mente que se for se sentar em qualquer restaurante ou café terá que pagar uma taxa de 3 € por pessoa para utilizar a mesa. Se pedir a comida para viagem não precisa pagar a taxa. Há diversos restaurantes por Veneza e honestamente eu ficava com vontade de comer em todos. O escolhido por nós foi o Restaurante Al Theatro, que fica ao lado do Teatro La Fenice.

    Restaurante Al Theatro
    Menu do restaurante Al Theatro
    Teatro La Fenice

    E os Passeios de Gôndola?

    Eu fiquei impressionada com os preços dos passeios de gôndola. O valor é de cerca de 80 € por meia hora de passeio para até 6 pessoas. Há também os barcos “normais” de meio de transporte, pode ser que seja uma boa opção para quem quer visitar várias ilhas, o bilhete diário custa 25 €. Outra alternativa é dar uma volta de traghetto, as gôndolas utilizadas pelos locais para atravessar os canais. Já tinha anotado a dica antes da viagem, mas quando chegamos lá achei que fossem os barcos de transporte público, mas na verdade são mesmo gôndolas que fazem pequenas travessias. Como eu não sabia como era, acabei por não procurar nos locais certos e, portanto, não encontrei. Vale a pena pesquisar quais são os pontos de saída, já que custa apenas 2 €, e pode ser uma opção para passear no canal, mesmo que rapidamente, e também para cortar caminho.

    Gôndolas Turísticas

    Voltando para Estação de Trem

    Depois de uma pausa para descansar os pés e repor as energias com um bom Aperol Spritz, voltamos com calma para a estação, passando por lojinhas e ruas estreitas que encantam o local e que deixam o passeio ainda mais mágico. Chegando na estação também não pudemos deixar de reparar na bela Igreja Santa Maria di Nazareth, que no momento já estava fechada. Voltamos às 19h25 em um trem regional da Trenitalia. A viagem foi um pouco mais demorada pois o trem não era de alta velocidade, parava em mais estações e fizemos uma troca de trem em Verona, que foi corrida mas fácil de achar o trem. A volta foi de 3h30, maior parte do tempo em pé, pois não conseguimos vaga para nos sentarmos. O assento não é marcado e, por ser um trem mais utilizado pelos moradores da região, costuma ficar bem cheio e nem sempre terá lugar para se sentar. Então, fica a dica: depois de um dia de muita caminhada, vale a pena pagar um pouco mais pelo trem de alta velocidade com lugar marcado para não ser tão cansativo.

    Igreja Santa Maria di Nazareth

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]