Contraste
  • Aumentar fonte
  • A+
  • Diminuir fonte
    A-

    Viña Undurraga – Algarrobo – Isla Negra (Chile)

    Viña Undurraga, Algarrobo (Resort San Alfonso del Mar) e Isla Negra – um tour 3 em 1, também contratado da Lucas Carvalho Turismo no mês anterior à viagem. A sede da empresa é em Santiago, mas a equipe é quase toda brasileira e o contato foi via WhatsApp. O tour foi executado pela Zerando o Chile, do também brasileiro Tales, parceiro da Lucas em Santiago. Depois de contratado, o Lucas faz semanalmente uma live com os clientes, explica sobre os passeios e dá várias dicas sobre documentos, compras, vestuário, baladas e etc. Muito instrutivo, especialmente para quem está viajando pela primeira vez para o exterior.

    Nosso terceiro tour pelo Chile foi realizado no dia 2 de novembro de 2023. A equipe do Lucas entrou em contato conosco no dia anterior para passar as informações sobre o itinerário, horários, nome do guia e dicas sobre vestuário e alimentação. A guia Jay, animadíssima, criou um grupo no WhatsApp com a turma do passeio para facilitar a comunicação. No horário marcado, 8 horas, a van passou no hotel Capital Bellet, no bairro Providência, onde nos hospedamos, para nos buscar.

    Para este passeio sugiro levar água, lanche, óculos de sol e protetor solar. Com relação a roupa, vai depender da estação do ano.

    Viña Undurraga

    Saímos de Santiago direto para a Vinícola Undurraga, distante 45 km da cidade, localizada na cidade de Talagante, no Vale do Maipo, na Fazenda Santa Ana.

    A Vinícola Undurraga foi fundada em 1885 por Don Francisco Undurraga Vicuña, sendo uma das mais antigas do Chile e uma das mais visitadas, ficando atrás apenas da Concha y Toro.

    Entrada da Viña Undurraga

    Os passeios às vinícolas no Chile ou de outros países são muito semelhantes, e todos espetaculares. Na Undurraga, chegamos e fomos direto para a loja até dar o horário da visita guiada, que era às 9h30.

    Loja da Viña Undurraga

    Fomos apresentados ao guia da vinícola, que fala um portunhol bem compreensível. Germano é uma atração à parte. Ele se apresentou e disse que tinha semelhanças com o Agostinho Carrara, personagem da Grande Família, tirando risadas do grupo. De fato, eles se parecem e Germano é tão bem humorado quanto o personagem de Pedro Cardoso.

    Nosso guia se apresentando e passando as primeiras informações ao grupo

    Seguimos para conhecer primeiro a área externa da vinícola: belos jardins, corredores de rosas brancas, árvores frondosas, fontes e o principal, as parreiras. Ao longo do trajeto fomos ouvindo as histórias da vinícola e sobre os cuidados no cultivo das uvas.

    Achei muito interessante a explicação sobre o plantio de rosas no início das fileiras de parreiras: é para o controle de pragas. Na eventualidade de uma infestação, as roseiras são as primeiras a serem atacadas, dando tempo de tomar providências antes do parreiral ser prejudicado.

    Rosas protegendo as parreiras

    Conhecemos também as diversas variedades de uvas plantadas ali: cabernet sauvignon, carménère, sauvignon blanc, chardonnay, merlot, carignan, pinot noir, sirah,  tempranillo entre outras.

    Passamos então para área coberta, onde estão os tonéis de aço, onde as uvas são fermentadas; conhecemos as diferenças na fermentação do vinho branco e tinto, e seguimos para a bodega onde estão os barris de carvalho, nos quais os vinhos envelhecem. 

    Barris de carvalho
    Barris de aço
    Barris de aço

    Mais uma parada para ouvir mais histórias da vinícola e seguimos para o pequeno museu Gente de la Tierra, que apresenta uma coleção de peças Mapuche e Andina, povos originários do Chile.

    Mais histórias do guia
    Museu Gente de la Tierra
    Museu Gente de la Tierra
    Museu Gente de la Tierra
    Museu Gente de la Tierra

    Para alguns, a parte mais esperada da visita chegou, a degustação dos vinhos. Foram três vinhos, um branco e dois tintos. O guia preparou uma mesa com as taças e serviu os vinhos explicando sobre cada um deles.  

    Degustação

    Ao final da degustação, ganhamos uma pequena garrafa de vinho e a taça que estávamos usando, junto com uma caixinha para transportá-la.

    Brindes: taça (dentro da caixa) e garrafa pequena de vinho

    Terminado o tour, tivemos um tempo para comprar algum vinho ou souvenir, comer empanada ou medialuna e dar mais uma volta pelos jardins. 

    Viña Undurraga
    Viña Undurraga
    Viña Undurraga
    Viña Undurraga

    É possível contratar a visita diretamente com a vinícola, sem uma agência de turismo, mas o transporte não está incluído. Nesse caso, observe o idioma conforme o horário do tour. A vinícola oferece também outras opções de visita, consulte o site para conhecer melhor.

    Por volta de das 11h30 seguimos para a segunda atração do dia, Algarrobo, Resort San Alfonso del Mar, distante 100 km da vinícola e 110 km de Santiago.

    Algarrobo – Resort San Alfonso del Mar

    À hora do almoço, chegamos em Algarrobo, uma comuna da província de San Antonio, na região de Valparaiso, cuja população é de pouco mais de 8.600 habitantes. A cidade é conhecida como a Capital Náutica do Chile e seu nome se deve à abundância de árvores algarrobo na região. A principal atração é a piscina do Resort San Alfonso del Mar, considerada a maior do mundo (Guinness Book).

    Chegando em Algarrobo

    Inicialmente, pensei que conhecer uma piscina não seria um passeio interessante, mas me enganei. O lugar é muito bonito, a enorme piscina está entre o mar e os edifícios do resort. Clique para ver a foto de satélite do site do Resort.

    Nossa van passou por uma entrada privativa e estacionou bem próxima do restaurante. Tivemos um bom tempo para almoçar e depois explorar o visual belíssimo.

    Almoçamos no restaurante do complexo, Peces Gordos, ótima comida, bom preço e local muito agradável, com bela vista para o mar e a piscina. O almoço foi pago à parte.

    O Resort San Alfonso del Mar foi o responsável pela construção da maior piscina do mundo. Ela tem 80 mil metros quadrados e cerca de 1 km de extensão, com um volume de água de 250 mil m³, levou 5 anos para ser construída, sendo inaugurada em dezembro de 2006. Custou cerca de US$ 1,5 bilhão para ser construída e sua manutenção custa outros US$ 4 milhões por ano. A água da piscina é extraída do mar por sucção, passando por um sofisticado sistema de filtragem e fica com uma temperatura de 10 graus acima da água do mar.

    A arquitetura dos edifícios do resort é em forma de degraus. Todos eles ficam de frente para a piscina e para o mar. Cada prédio tem sua própria piscina em formato de meia lua, que fica dentro da maior piscina do mundo, separada por uma mureta de concreto.

    Obtivemos informações desencontradas sobre o acesso ao resort. A guia disse que somente hóspedes e empresas de turismo credenciadas têm acesso ao restaurante. Já na internet, vimos que basta fazer reserva em um dos restaurantes para ter acesso ao local. De qualquer modo, o uso da piscina só é permitido aos hóspedes (a conferir).

    Por volta de 15 horas saímos para a última atração, Isla Negra, distante apenas 20 km do resort. Pegamos um pouco de trânsito devido a obras na pista e demoramos um pouco mais que o previsto, chegamos quase às 16 horas.

    Isla Negra

    Apesar do nome Isla Negra (Ilha Negra) não é uma ilha, mas uma localidade na comuna de El Quisco, no litoral chileno, onde o poeta Pablo Neruda tinha uma de suas residência – a Casa Isla Negra, hoje museu. O poeta passou ali boa parte de sua vida, de 1939 até sua morte em 1973, entrecortados por longas viagens e o período de exílio. A área foi batizada pelo próprio Neruda como Isla Negra devido ao afloramento de rochas escuras na praia.

    Caminho para casa de Pablo Nerura
    Pequena feira de artesanato em Isla Negra

    A Casa de Isla Negra é hoje um museu muito visitado durante todo o ano, especialmente durante o verão. É nos jardins desta casa, de frente para o mar, que o poeta está enterrado, ao lado de sua mulher Matilde Urrutia. O ingresso para visitar a casa museu não fazia parte do tour, deveria ser pago à parte. Como perdemos muito tempo na estrada, visitamos gratuitamente apenas os jardins e a praia, mesmo assim valeu a pena, local encantador.

    Dos jardins, descemos rapidamente até a praia para algumas fotos e em seguida voltamos para a van.

    Assim que saímos de lá, passamos em um banheiro público (pago) e voltamos para Santiago, a 117 km, onde chegamos às 19 horas.

    Voltando para Santiago
    Chegando em Santiago

    O que achei

    Gostei bastante, foi bem diversificado, a guia foi muito atenciosa e brincalhona, a van bem confortável, o restaurante para o almoço muito bom e vimos belas paisagens. É possível fazer o passeio por conta própria, mas sugiro conferir antes a viabilidade de acesso ao resort e as vantagens e desvantagens de aluguar um carro. Vi um post na internet que me fez pensar que o melhor talvez seja não alugar carro – avalie bem.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    Ultimas Postagens

    ver todas

      Roteiro de Bike – Passadiço Ribeirinho de Loures – Lisboa (Portugal)

      Passadiço Ribeirinho de Loures O Passadiço Ribeirinho de Loures é uma passarela de madeira, do tipo palafita, às margens do Rio Tejo, sobre uma zona de sapais e lodaçais, destinada a pedestres e bicicletas, com de 6,15 km de extensão. Começa em Bobadela, na Ponte Ciclo pedonal do Rio Trancão (a 1,5 km da Ponte Vasco da […]

        Brasília na Trilha – 10 anos

        Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos em registrar esta e outras viagens […]

          Diamantina – MG

          Brasília na Trilha – 10 anos Diário de viagem Há dez anos surgia a inspiração para a criação do blog Brasília na Trilha. A ideia nasceu quando estávamos a caminho de Diamantina – MG, para uma aventura em veículo 4×4, com minha esposa e nossos filhos, além de outros amigos também em carros 4×4. Pensamos […]

            Caminhada Costeira Coogee a Bondi – Sydney (Austrália)

            Coastal Walkway (caminhada costeira) é o percurso realizado a pé pela costa leste australiana entre as praias de Coogee e a badalada Bondi ou vice-versa (links de posts do Brasília na Trilha). O trecho de uma praia à outra é de 6 km, simplesmente fantástico, imperdível. Gastamos 3 horas para percorrer todo o percurso, parando […]

              Bondi Beach – Sydney (Austrália)

              Bondi (originalmente Boondi, pronuncia-se “Bon-dai”) dá nome ao bairro e à praia, uma das mais badaladas da região metropolitana de Sydney, localizada a apenas 7 km da área central da cidade. Bondi, North Bondi e Bondi Junction têm menos de 12 mil habitantes e formam um dos maiores centros comerciais e residenciais de Sydney. Há […]

                Coogee Beach – Sydney (Austrália)

                Coogee Beach foi a terceira e última praia de Sydney que conhecemos, em nosso quarto dia de Sydney (5 de setembro de 2023). Era inverno, mas o dia estava ensolarado, ótimo para caminhar pela praia, pela calçada da orla e para percorrer a costa entre Coogee e Bondi. Estava ventando menos e foi possível ficar […]